11 maio, 2009

279 - O Gato

Foto: Charquinho

Gato que brincas na rua

Gato que brincas na rua
Como se fosse na cama,
Invejo a sorte que é tua
Porque nem sorte se chama.

Bom servo das leis fatais
Que regem pedras e gentes,
Tu tens instintos gerais
E sentes só o que sentes.

És feliz porque és assim,
Todo o nada que és é teu.
Eu vejo-me e estou sem mim,
Conheço-me e não sou eu.
FERNANDO PESSOA

3 comentários:

shark disse...

Que bonito poema escolheste para esta gata tão especial para mim, amiga...
:)

Sali disse...

Olá!Tudo é especial em seu blog.Fiquei horas lendo cada texto, mas escolhi este para comentar por falar de dois grandes amores que tenho em minha vida: Biel(um lindo siamês), e Pessoa.Os gatos são seres adoráveis que enfeitam nossas vidas, casas, ruas e jardins.Criaturas poeticamante elegantes.Abraço.

Susete Evaristo disse...

Obrigada pelas suas palavras Sali. Tudo começou por brincadeira face às belas fotos do meu amigo Shark, agora é um desafio, pesquizar poemas que de alguma forma se interliguem com as fotos, duas paixões para as quais não tenho jeito.
Eu também tenho um gato o Tico é um gato de pelo europeu tigrado entre o cinza e o dourado.
Muito meigo e ao mesmo tempo muito senhor do seu nariz (uma personalidade semelhante à da dona)
Um abraço